Carlos Max Horta – “Cau”

Nascido na ilha do Príncipe, residente na ilha de São Tomé, Carlos Max Horta trabalha na área do turismo há uma dezena de anos e é, em qualquer das ilhas, o guia ideal para lhe proporcionar momentos verdadeiramente inesquecíveis na descoberta dos segredos mais bem guardados do arquipélago.

Praia Santa Rita, na Ilha do Príncipe, ©Daniel Rocha

Cau, como é familiarmente tratado por clientes e amigos, é um apaixonado pelo seu país natal e pretende partilhar consigo essa paixão. Tendo crescido numa roça na ilha do Príncipe, Cau convive desde criança com as plantas e os animais nativos, as espécies únicas e endémicas, aprendeu a conhecer-lhes as características e os segredos, domina os seus usos, aplicações e ritmos sazonais.

Folha de Makabali, útil para limpar os dentes. ©Diana Relego

Profundo conhecedor do arquipélago, Cau pode desvendar-lhe os trilhos, os caminhos, os lugares, as gentes, seus usos, costumes e hospitalidade. Com ele o viajante pode desenhar os seus próprios programas, de modo totalmente flexível, podendo, por exemplo, misturar e combinar diferentes tipos de alojamento, de acampamentos na floresta a casas de hóspedes low-cost ou resorts de luxo.

Praia Piscina, São Tomé

O viajante é igualmente convidado a, no conforto e segurança de um Toyota 4×4, descobrir a arquitectura das antigas roças coloniais, almoçar ou pernoitar numa delas, nadar nas águas cristalinas da Lagoa Azul, aventurar-se num “duche” refrescante numa das maravilhosas cascatas de água doce que existem em São Tomé ou pisar a linha do equador, colocando um pé no hemisfério norte e, simultâneamente, outro no hemisfério sul.

Cau pode também acompanhá-lo e mostrar-lhe as belezas espectaculares da ilha do Príncipe e, por exemplo, mergulhar consigo à descoberta da incrível riqueza da sua fauna marinha ou, por outro lado, levá-lo a observar algumas das mais raras aves do mundo e revelar-lhe os seus hábitos e habitats.

Apesar da sua dimensão, São Tomé e Príncipe é um arquipélago de grande beleza, diversidade e riqueza natural e cultural. Com a ajuda de um guia profissional, conhecedor e apaixonado como Carlos Max Horta a sua estadia pode tornar-se muito mais rica e inesquecível.

O que dizem sobre mim na imprensa:

“Sabe-a toda, cada planta com potencialidades medicinais ou utilitárias, e conta-nos pedaços da história da sua ilha equatorial e do seu país à medida que nos mostra aquela planta que substitui o sabão e que a avó usava nos tempos da crise, a outra que funciona como esfregão, ainda outra que é como lixa, o melhor ananás da vida, o coco fresco, as laranjas picantes. E, claro, a pimenta, o cacau, e mais uma planta boa para a diarreia, outra para as comichões, um chá para a febre, o trilho e as piadas. À medida que os pulmões e as pernas dão de si, descemos para mais uma praia maravilhosa, mais uma comunidade piscatória amistosa.”

No Público Joana Amaral Cardoso , Maio de 2014

http://blogues.publico.pt/emviagem/2014/05/14/carlos-marx-guia-turistico/

Mike

Com o jornalista do “Independent” Mike Unwin, no Príncipe, 2014

The best way to appreciate all this natural abundance is, of course, to ditch the vehicle and head out on foot – which is exactly what I do with my guide Carlos (“Cau”) Marx Carlos was born on Príncipe and knows these forests intimately. He demonstrates – with a splash from his water bottle – how to crush the leaves of one shrub into a frothy soap, and quenches our hunger pangs with various wild fruits. His eagle eyes also spy the powder-blue eggs of a maroon pigeon in their untidy cradle of twigs and the slender emerald coils of a São Tomé green snake slipping away into the vines. Both endemics, of course.

Mike Unwin , The independent , 2014

http://www.independent.co.uk/travel/africa/sao-tome-and-principe-prepare-for-turtle-immersion-9355028.html

Pau sabão, detergente natural

Anúncios

91 thoughts on “Carlos Max Horta – “Cau”

  1. Bom dia, CAO.
    Estou agora a conhecer o seu trabalho e como vou viajar para São Tomé no dia 13 de Outubro, para uma estadia de 12 dias, distribuídos entre São Tomé e Ilha do Príncipe, e gostava de o ter como guia. Como fazemos para o contactar quando chegarmos a São Tomé?
    Obrigada.
    Beatriz

    Gostar

  2. Um destes dias volto a São tome e príncipe para beber uma “rosana” no bem bom… Viva CAO! Grata pelo acolhimento e acompanhamento em Dezembro 2017. TUDO DE BOM E BEM para si… Lindas fotos..

    Gostar

    • Para quem nao gosta muito de calor a melhor altura seria entre os meses de Junho, Julho e Agosto (meses da estação denominada gravana) em que s temperaturas sao amenas (22 a 27 graus)e quase que nao chove. a temperatura do mar ronda os 25 graus. Espero ter ajudado. Se quiser mais informações e só perguntar.

      Gostar

  3. Ola cau. Estou com uma duvida. Comprei passagens para sao tome porem gostaria de saber como faco para ir para ilha do principe? É um lugar onde podemos passar o dia ou ir mais de uma vez facilmente? Ou tenho q ficar hospedada tb na ilha de principe?
    Obrigada desde ja.
    Silvia

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s